Gasparzinho também anda de táxi…

Duas amigas alegres por natureza e embriagadas por indução de bebidas permitidas para apenas maiores de 18 anos, solicitam táxi após a balada. Entram no carro animadamente cantarolando a última música que escutaram lá dentro: “come on, vogue, let your body move to the music, hey, hey, hey!!”. Parece que mais queriam ter ficado do que ido embora, se levadas em conta as dancinhas coordenadas que faziam no backseat.

Conversando e rindo somente uma com a outra (já que o taxista da vez era mais sério e quieto do que o da ida pra boate – ah, que saudades do Jorge!), avistaram um moço no outro carro que começou a mexer com uma delas. Míope que só ela, perguntou pra amiga: “vale a pena dar tchauzinho???”. Sim, valia! Obedeceu, sorriu, fez charme e acenou. Flerte puro de carro pra carro. A outra só ria e tacava lenha na fogueira. A que flertava sentiu o calor da fogueira que a outra alimentava e levou o assunto a sério no seu subconsciente: virou-se pra mexer com o rapaz e, sem querer, pisou no extintor de incêndio. A cena bonitinha e de flerte passou para uma nuvem gigante branca com a mangueirinha soltando som de cobra “ssssss”. Gritos de susto, misturados com frases surreais do tipo: “aaaiiiii, é assalto!”, “o taxista quer nos raptar, fooooogeeeee, sai do carro!” (gente, por favor, como fugir de um carro em movimento??), “é táxi do Gugu, uma pegadinha!!!”. O taxista permaneceu quieto (seria mudo o rapaz?) mesmo no meio de tanta algazarra e simplesmente encostou o carro com a expressão taciturna intacta (seria botox?).

Eis que descem as alegrinhas do bat-móvel braaaaaanco por dentro. E ela, a bonitinha, braaaaaaanca por fora. Toda vestida de preto, virou um Gasparzinho real life. Só se viam os cílios piscando rapidamente pelo susto e os olhos pretos de jabuticaba por detrás das piscadas. A amiga não se conteve e sentou na calçada de tanto rir. Ficou sem falar e, acredito que até sem respirar, por uns três minutos até recuperar o fôlego e dizer: “Ô, fantasminha camarada, olha pra trás!”. O par de jabuticaba se vira e, pra seu espanto, o gatinho que as seguia estava de pé atrás dela. Ficou imóvel. Vai que ele não a via ali? Estava tão branca que passava por névoa. Morrendo de vergonha, seu rosto entregou sua presença ao adquirir forte rubor. O rapaz sorriu, estendeu a cerveja que tinha na mão e falou: “fantasmas bebem?”. Ela sorriu, mas ele não identificou muito já que o branco dos dentes se misturava com o branco do pó expelido pelo extintor. Pagaram a corrida e um extra pro taxista da Família Adams e foram embora com o novo motorista pra casa. Até hoje ele a chama de “Fan”, primeira sílaba de “fantasminha” com som de “diversão” em inglês.

Advertisements

5 Comments Add yours

  1. Ana Cristina says:

    Hahahaha,adorei Ju…pude até imagina a cena. Fantástica a história/estória!!! 🙂
    saudade de você.

  2. Odair Ribeiro says:

    Essa foi fantástica!! Adorei!!! To rindo até agora… Seria real ou ficção?? 🙂

  3. Ana Cristina says:

    ahahah… Odair, esta é a questão? real ou ficção??? Você conhece a sua amiga?!?!…

  4. Ana says:

    Hahahaha… muito boa Ju! Consegui me imaginar na situação. Pisar no extintor de incendio sem querer, é uma tarefa fácil pra mim…rs.

  5. Silvinho says:

    Pqp…
    E eu não cruzo duas gatas num táxi…
    Mais provável seria o taxi driver ser frutinha e ficar me encarando…affffffff,mas beleza,tô em busca da onda perfeita…rsrsrs

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s