Comunicado silencioso

Preso no estado semi-dormido, semi-acordado, quis acordar para anotar a carta perfeita que seu subconsciente havia escrito, mas não conseguia soltar-se das cordas apertadas do mundo paralelo de sua mente. Resolveu, então, relaxar e deixar as letras formarem palavras e deixar que estas fluíssem do jeito que bem entendessem. Soltas, amarradas, com nexo, sem nenhum nexo, com sentimento, pena, frieza, dor, saudade, dúvida, entendimento pleno ou simplesmente palavras. Talvez ainda fosse apenas sua alma suplicando para que ele a lavasse com elas.

Sentiu seu coração rasgar sua máscara e despir-se para ele mesmo, ali, a seco. Entendeu que não poderia seguir fingindo aquele conto de fadas, agindo daquela forma, buscando e usando aquele sorriso de ontem. Não podia mais ignorar o fato que ele jamais a penetraria o suficiente para fazer seus olhos queimarem, não apenas brilharem. Queria perder um pouco os sentidos e as sensações, a fim de não sentir a dor que lhe corroía os ossos. Desejou jogar os dois rostos que via ao vento, jogar seus braços no passado, abraçando-o com força para trazê-lo ao presente. E dar este passado como presente para os dois. Sentiu ainda mais dor ao perceber que jamais desejara que tudo estivesse como estava. Encarou-a com olhos estatelados e viu que ela o encarava de volta, e ele já não conseguia segurar as lágrimas dentro de seus olhos com a maestria que ela o fazia. Por dentro, todos são um mistério, não importa há quanto tempo se conheçam. Mesmo percebendo que não havia mais nada que pudesse fazer, esticou as mãos para segurá-la um pouco, mas ela se despedaçou ali mesmo e escorregou por entre seus dedos, como areia fina. Queria ficar, mas não conseguia, nem podia. Ela já não estava mais lá. Eram separados por mundos com olhares pesados, corações partidos, risadas atrasadas, preces não atendidas.

Percebeu que, apesar de sempre tê-la imaginado como a mulher dos seus sonhos, ele mesmo deixara estes sonhos para trás.

Advertisements

3 Comments Add yours

  1. Silvinho says:

    Que bonitinho !! Volte a mimir que o sonho volta !!

  2. Carla says:

    LINDO!!
    beijão

  3. Angela says:

    É a velha história do “eu era feliz e não sabia”…. muitos acordam tarde e perdem o trem. Não, aqui não temos trem. Deve ser o avião mesmo. Ou o próprio pé. Too bad. O texto está lindo, congrats. Beijo!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s