Elementos-surpresa!

Relato de 24h de surpresas…

Quem me conhece, sabe que sou a fundadora oficial do termo “elemento surpresa”. Por ser a criadora de tal, pode-se facilmente deduzir que sou adepta e fã de momentos não-aparentes. Situações, fatos e coisas inesperadas altamente me instigam e o não-planejado é algo simplesmente muito atraente. É como uma mariposa sendo atraída à luz. Irresistível. Por gostar tanto, o universo conspira a meu favor e circunstâncias assim me são, graças aos bons deuses, bem comuns. A última aconteceu ontem. E eis o meu relato do dia totalmente ao contrário do imaginado, mas bem feliz:

Acordei decidida a ter um dia calmo, com direito a acordar tarde, ou pelo menos acordar sem maiores compromissos e muito menos com despertador. Queria que meus olhos tivessem o gostoso direito de abrir ao seu bel prazer, quando bem lhes fosse conveniente. E assim foi. Espreguicei-me, aninhei-me ao outro corpo ao meu lado tão preguiçoso quanto ao meu, mas mais quentinho, propiciando-me a tranquila sensação de bem-estar que todos deveriam experienciar ao acordar: isso só pode ser visto e compreendido como um presságio de um ótimo dia pela frente. E assim foi.

Levantamos com o intuito de caminhar no parque, almoçar num belo restaurante que há dias venho tentando ir sem sucesso e depois, quem sabe, pegar um cinema ou encontrar  um casal de amigos que também  está na situação do restaurante: tentativas não bem sucedidas de visita. Assim não foi. Antes de tudo isso, resolvi entrar no site da American Airlines para checar vôos com destino “casa da minha irmã com trio de lindas sobrinhas”. Como era vôo com milhas, busquei toda e qualquer informação e telefones de contato para fazer a tal praticamente missão impossível. Após 65 minutos ao telefone com simpáticas atendentes (sim, foram necessárias 3 ligações no total), meu coração saltou de alegria e vi que de “impossível” a missão não tinha nada. O simples fato das atendentes serem prestativas e educadas já poderia ser meu elemento surpresa do dia, mas não… mais uma vez enganei-me para o lado bom. Havia local para o vôo noturno dali a poucas horas!! Até a atendente me perguntou se eu conseguiria arrumar minhas malas em tão pouco tempo. Ri e confirmei que claro que sim (nem que isso significasse vir com uma mala de mão e usar roupas da irmã por 8 dias) com voz que claramente denotava que um sorriso estava estampado no meu rosto. Após todas as confirmações, tive um almoço maravilhoso (não no tal restaurante, mas em outro igualmente especial) e voltei para juntar algumas peças de roupas para os poucos dias no frio do Colorado (mais um elemento perfeito, pois adoro frio!) ao lado da família.

E as surpresas agradáveis não pararam por aí: o aeroporto estava sem fila para check-in, sem fila na imigração, entrei no avião com bilhete de embarque marcado como “priority access” (até agora não faço ideia do motivo, mas o recebi de muito bom grado e sem questionamento), havia legumes na refeição (pedir vegetariana não deu tempo) e ainda por cima consegui 2 feitos: sentar no corredor como solicitado e dormir na maior parte do vôo (fato inédito, mas também muito bem vindo). Sensacional! Quando aterrisamos, permaneci lendo, a fim de esperar que todos os passageiros esvaziassem o avião com suas pressas e malas batendo pelos corredores. Na aeronave vazia, usei o banheiro ali mesmo antes de sair e, ao chegar na imigração, percebi que todos iam para o lado esquerdo somente e resolvi pegar o direito. Há! Na mosca! Ainda não havia fila do lado de lá e peguei somente uma pessoa a minha frente. Em cinco minutos eu estava liberada do questionamento típico com um sorriso e respostas tão felizes que o funcionário deve ter ficado em dúvida se deveria deter-me para verificação de algum tipo de droga no meu corpo. Afinal de contas, que tipo de pessoa responde à pergunta “qual o motivo da sua vinda para este país?” com “ah, o simples fato de a vida ser bela, porém curta e, já que tenho somente uma semana entre meu velho e o novo emprego, resolvi aproveitar e visitar as sobrinhas mais lindas de todos os tempos. No caso, as minhas!”. E, ao concluir a frase, abri um sorriso que mostrou todos os dentes. Ele não imitou meu gesto. Pelo contrário, arqueou uma sombracelha de jeito que até parecia achar que era astro de cinema em filme policial. Mediu-me um pouco por alguns segundos, mas eu permanecia feliz e não era o símbolo de “autoridade oficial” preso ao seu uniforme que mudaria qualquer sensação minha. Carimbou o passaporte e desejou-me uma boa estadia. Agradeci, desejando um bom dia de trabalho. Pensando agora, pode até ter parecido ironia,  mas foi um desejo sincero.

Ao descer a escada rolante para esperar minha mala, outra boa surpresa: era ela quem me esperava! Foi o encontro perfeito: eu descendo a escada e ela rolando na esteira em direção ao ponto onde eu desceria. Parecia encontro de almas! Sorri por dentro e pensei que só me faltava alguém vir e me oferecer um chá quentinho de boas-vindas. Agradeci internamente a quem havia preparado todo aquele desenrolar de bons elementos surpresas e segui.  Caminhei pelos terminais em busca de algo a fazer e o destino resolveu presentar-me mais uma grande oportunidade com um simples “plim” que me veio à mente… comprei acesso a internet e mandei um email a uma das minhas maiores e melhores amigas que mora exatamente na cidade onde estou. Com toda a correria do dia anterior, não tive tempo de avisar que passaria horas aqui numa conexão. Ela respondeu o email quase que imediatamente avisando que também deveria estar no aeroporto para um vôo para Boston poucas horas antes do meu! Almoçamos juntas, conheci sua casa aqui, demos abraços esmaga-peitos e sorrimos por todos os minutos nos atropelando nas estórias, saudades, surpresa do dia e muita felicidade por ter a chance de mais um lindo e fabuloso elemento surpresa. Quando viemos juntas pro aeroporto, descobrimos que estávamos no mesmo concourse da American Airlines: ela no portão D45 e eu no D15. A deixei lá, a abracei um tantão a mais e vim pro meu portão mais leve e feliz! Sublime perceber, no curto espaço de tempo de horas, que mesmo no longo espaço de tempo de anos, algumas coisas não mudam: rever a amiga com tanto carinho e amizade como o encontro da última vez. Fora que o encontro me proporcionou um banho na casa dela: uma surpresa refrescante!

Impressionante! Uma coisa maravilhosa atrás da outra e o dia estava apenas começando…! Horário local: 7am. Quando comecei este relato, imaginei que passaria horas no aeroporto esperando minha conexão e confesso que havia ficado na dúvida de como terminá-lo, imaginando que seria um dia moroso e sem muita emoção. Como adoro estar enganada nestas situações.

Eis que, chegando no destino final, recebi meu elemento surpresa de diamante: chegar na casa da minha irmã e ver o brilho nos olhos dos meus tesouros em forma de pequenas crianças, acompanhado de frenéticas perninhas e bracinhos que seguiam os rápidos movimentos e vozes que repetiam “Dindinha, Dindinha, Dindinha!!”. Elas não sabiam da minha chegada (eu e minha irmã havíamos combinado não contar) e a felicidade foi imensa. Eu, que tanto queria fazer surpresa para elas, fui a grande surpreendida com tamanho fusuê de alegria sincera, abracinhos capazes de envolver o mundo, sorrisos e pulinhos. O feitiço da surpresa virou contra a feiticeira. Ainda bem.

Advertisements

6 Comments Add yours

  1. Felipe says:

    É…

    É a primeira vez que vejo uma pessoa conseguir este feito: contrariar várias vezes e por completo a Lei de Murphy:

    “Se algo pode dar errado, dará”

    Foi criado um novo adágio popular, podemos chamar de a “Lei de Juju”:

    “Se algo pode dar errado, NÃO É PROBLEMA MEU! Por que eu acredito que pode dar certo e vai dar certo independente dos meios.”

    Ou até melhor:

    “Se algo pode dar errado, não se importe e acredite.”

    O mais incrível é poder ter acompanhado de perto este dia inesquecível….

    Um beijo gigante……

  2. Od says:

    Ju, estou muito feliz por você. De verdade. Você sabe que Deus está do seu lado e está te mostrando o quanto a vida é linda.
    Eu me emociono à toa e vc sabe disso, quando você falou das sobrinhas eu fiquei imaginando a cena. Não tem preço…
    Parabéns e aproveite MUITO estes momentos especiais com pessoas tão queridas.
    Além delas, você sabe que tem outras esperando ansiosas pela sua volta. Né, Felipe?? hahaha
    Beijo grande,
    Od

  3. Gabi says:

    Amo voce e estou muiiiiiiiiiiiiiiiiito feliz que voce esta aqui!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Queria podia dizer isso, sempre!

  4. Dani Tedesco says:

    Senti saudades e não é a primeira vez que sinto e venho aqui “te ver”, mas só agora tive coragem de te escrever…

    Lendo este post me veio a cabeça a cena de como deve ter sido seu dia, as suas caras quando cada coisa ia acontecendo sem que vc planejasse… E vc dizendo pra si mesma “PQP, não tô acreditando!” – daquele jeitinho que só vc tem e quem te conhece sabe bem o que estou dizendo.

    Que delícia tudo isso que li, imagino como deve estar feliz e aqui só cabe uma frase “Depois da tempestade sempre vem a bonança”.

    Aproveite cada minuto, vc merece!

    Bjão!!

  5. Wonderfully well written writing!!!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s